01/12/2017

Mais uma turma de Musicalização é capacitada pelo método Sopro Novo Yamaha

Na última sexta-feira, (1/12), ocorreu o encerramento da 8ª turma do das Oficinas de Musicalização 2017, que contam com apoio do projeto Sopro Novo – Yamaha 3º Setor.

Neste semestre, os participantes tiveram vivências múltiplas e diversificadas visando estimular a socialização, trabalho em equipe, autoestima, comportamento organizacional, cidadania, empregabilidade e solidariedade e também foram oferecidas atividades de musicalização em Flauta Doce pelo método Sopro Novo Yamaha. Cada jovem certificado também conclui o projeto com a possibilidade de formação como Instrutor Musical e alfabetizado musicalmente para dedicar-se ao aprendizado de qualquer instrumento, seja por profissão ou por atividade estética.

A Yamaha colaborou com a metodologia, com a doação dos instrumentos e com a contratação da instrutora especializada Nedina Leite, formando uma seccional na região com apoio da Aehda.
A parceria entre ambas as organizações se iniciou em 2012 e desde então já capacitou mais de 400 jovens. Todos os participantes do projeto continuarão a participar gratuitamente das demais oficinas disponíveis na Aehda a partir de 2018 e também estão aptos para ingressar nas atividades de Estágio Social em empresas da cidade.


Jovens apresentaram várias peças musicais aos presentes


Nedina, instrutora musical Yamaha,  à frente da 8ª turma em parceria com a Aehda


Atividade física melhora aprendizagem, saúde e bem-estar

Relatório do PNUD apresenta o conceito de escolas ativas e reflete sobre o potencial das práticas esportivas durante a infância

Apesar de pesquisas já terem demonstrado que uma vida ativa pode melhorar o desempenho escolar e ampliar o repertório motor, 81% dos adolescentes e jovens entre 11 e 17 anos não praticam nem 60 minutos diários de atividade física. Diante dessa realidade, o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil), com o apoio da Nike, divulgou um relatório que mostra o cenário da prática de atividades físicas e esportivas no país e apresenta o conceito de escolas ativas como um caminho para estimular o desenvolvimento integral dos estudantes.

No “Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional 2017 – Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas", o conceito de escolas ativas é apresentado como uma perspectiva de desenvolvimento humano que reconhece o movimento como um elemento central para potencializar o aprendizado e uma vida plena.

30/11/2017

Brasil tem 30 mil crianças de cinco a nove anos no mercado de trabalho

No Brasil, em 2016, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de um total de 40,1 milhões de crianças e adolescentes no grupo de 5 a 17 anos, 1,8 milhão estavam no mercado de trabalho. O nível de ocupação para esta população foi 4,6%, principalmente concentrado no grupo de idade de 14 a 17 anos. Entre as crianças de 5 a 9 anos de idade, 0,2% encontrava-se ocupada em 2016, ou aproximadamente 30 mil crianças, enquanto no grupo de 10 a 13 esse percentual era de 1,3% ou aproximadamente 160 mil crianças. De 14 a 15 anos, 6,4% dos jovens estavam ocupados (430 mil) e de 16 a 17 anos eram 17% (cerca de 1,2 milhão).

As crianças pretas ou pardas eram maioria entre as ocupadas, representando 64,1%. Entre as crianças ocupadas de 5 a 13 anos, 71,8% eram pretas ou pardas, e para o grupo de 14 a 17 anos, o percentual de pretas ou pardas foi de 63,2%

Na média, no Brasil, 81,4% das crianças e adolescentes ocupados frequentavam a escola no ano de 2016. A desagregação por grupo de idade mostrou que 98,4% das crianças de 5 a 13 que se encontravam ocupadas frequentavam a escola. Para o grupo de 14 a 17 esse percentual foi 79,5%. Das crianças de 5 a 17 anos ocupadas que frequentavam a escola, 94,8% estudavam na rede pública e 5,2% na rede privada.

Pesquisa do Unicef aponta que 82% das crianças do Brasil temem a violência

A violência, o terrorismo e a pobreza são os assuntos que mais preocupam as crianças no mundo. No Brasil, 82% das crianças temem principalmente a violência – é o país em que essa preocupação atingiu o índice mais alto.

A informação foi divulgada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) , que realizou pesquisa em 14 países para marcar o Dia Mundial das Crianças, lembrado hoje (20). Foram ouvidos 11 mil crianças e adolescentes de 9 a 18 anos na África do Sul, Brasil, Egito, Estados Unidos, Holanda, Índia, Japão, Malásia, México, Nigéria, Nova Zelândia, Quênia, Reino Unido e Turquia.

Na preocupação com a violência, o Brasil é seguido pelo México e pela Nigéria, onde o índice supera os 70%. Já no Japão, apenas 23% das crianças pensam na violência da mesma forma. Outros temas que angustiam as crianças são a educação de baixa qualidade (principalmente no Brasil e na Nigéria) e o terrorismo (com destaque para Egito e Turquia).

Em todo o mundo, metade das crianças se sentem marginalizadas em relação às decisões que as afetam e dizem que não são ouvidas: 45% delas não confiam que os líderes mundiais possam tomar boas decisões em seu nome. No Brasil, o pior caso, este índice sobe para 81%.

O tratamento injusto de refugiados é outra inquietação, que atinge 40% das crianças no México, no Brasil e na Turquia.

29/11/2017

Concurso de Bolsas e Vestibular 2018 da FHO|Uniararas acontece este domingo

Inscrições para o processo seletivo seguem até amanhã, dia 30.

A FHO|Uniararas realiza este domingo, 03 de dezembro, a partir das 9h, a primeira prova do Concurso de Bolsas e Vestibular 2018. Os interessados em participar deste processo seletivo podem se inscrever pelo site www.uniararas.br até amanhã, dia 30.  Os candidatos deverão comparecer ao Campus da Instituição com cerca de 40 minutos de antecedência, tendo em mãos o comprovante de inscrição e um documento original com foto (RG, CNH ou CTPS), além de caneta azul ou preta, lápis e borracha. A prova tem três horas de duração e é composta por 50 testes de múltipla escolha e uma redação.

Sobre a FHO|Uniararas

A FHO|Uniararas oferece bolsas de estudos parciais (50%) para os cursos de Administração, Contabilidade, Economia, Biomedicina, Biologia (Bacharelado/Licenciatura), Educação Física (Bacharelado/Licenciatura), Estética (Bacharelado), Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Odontologia, Psicologia, Pedagogia, Engenharia Civil, Engenharia de Computação, Engenharia de Produção, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Química (Bacharelado) e Sistemas de Informação.

Os alunos aprovados também podem utilizar o PagFácil -  programa de crédito estudantil da Instituição – para pagar até metade do curso depois de formado, reduzindo o valor das mensalidades. O pagamento do crédito é feito apenas com os reajustes anuais das mensalidades, sem juros, e diretamente com a FHO|Uniararas, sem banco ou financeira. Além disso, não é necessária análise de crédito ou renovação semestral. Mais informações pelo telefone 0800 770 44 55.